Daniel no Rádio




A urbanização da entrada do distrito de Santana do Sobrado, o maior de Casa Nova, já está saindo do papel. A tão sonhada obra de intervenção urbana da localidade começou a ganhar corpo nesta semana com a aprovação do projeto de Lei 259/2017 pela Câmara de Vereadores.

A matéria dispõe sobre autorização ao município para vender dos terrenos públicos. As áreas, localizadas no Centro da cidade, foram doadas à Caixa Econômica Federal e ao INSS, para construção de suas sedes, porém, após oito anos sem a execução, a titularidade voltou ao município.

Parte do valor obtido com a venda destes imóveis será revertida para a construção da urbanização da entrada do distrito às margens da BR 235. O vereador Fredão de Benedito (SDD), morador de Santana, votou favorável ao projeto. "O sonho do meu povo é meu sonho! E estamos cada vez mais perto de realizar. Votei com muito prazer no Projeto que vai viabilizar a urbanização da entrada do distrito. Uma grande alegria para todos nós. Uma nova realidade está chegando", comemorou. (Assessoria)




Publicado por: Daniel Campos - 08/06/2017 - 22:00:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.86/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.9/5 (7 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



A ONG Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) divulgaram nesta segunda-feira (29) novos dados do Atlas da Mata Atlântica, com dados sobre sua conservação. Os mai atuais são referentes ao período de 2015-2016. O estudo verificou no período um desmatamento de 290 Km² nos 17 estados que possuem partes do bioma, um aumento de 57,7% em relação ao período anterior (2014-2015), que teve desmatamento de 184 km².

A Bahia foi o estado com mais desmatamento 122,8 km² (alta de 207% em relação ao ano anterior, quando foram destruídos 39,9 km²). Dois municípios baianos - Santa Cruz Cabrália e Belmonte são os maiores desmatadores, com derrubada de 30,5 km² e 21,1 km², respectivamente.

O segundo estado com mais desmatamento é Minas Gerais, com 74 km² desmatados, seguido por Paraná (34,5 km²) e Piauí (31,25 km²).

A Mata Atlântica está distribuída ao longo da costa atlântica do Brasil, e se espalha também para áreas da Argentina e do Paraguai. (G1)




Publicado por: Daniel Campos - 30/05/2017 - 09:00:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.80/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.8/5 (5 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



Dois novos relatórios divulgados neste domingo (5) dizem que fatores de risco ambiental - como as condições do ar, água contaminada, falta de saneamento e higiene - são responsáveis pela morte de 1,7 milhão de crianças menores de cinco anos por ano. Os documentos foram elaborados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Outro número encontrado nos textos é o de que mais de 1 em cada 4 mortes de crianças com menos de 5 anos é atribuída a ambientes insalubres.

O primeiro relatório foi intitulado de "Herdando um mundo sustentável: Atlas da saúde e do ambiente da criança". Ele mostra que boa parte das causas mais comuns de mortes entre crianças nessa faixa etária - como diarreia, malária e pneumonia - podem ser evitadas com intervenções para a redução dos riscos ambientais e passando a garantir água potável e fontes limpas para a cozinha de casa. (G1)




Publicado por: Daniel Campos - 06/03/2017 - 09:00:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.67/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.7/5 (6 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



As negociações de quase 190 países se encerram nesta sexta-feira (18) em Marrakesh na conferência climática da ONU, sem avanços expressivos, mas tendo reafirmado a sua determinação em aplicar o Acordo de Paris, apesar da incerteza criada pela eleição do cético do clima Donald Trump.

"Os progressos não foram espetaculares (...) mas pelo menos não houve bloqueio", disse o representante de Granada, em nome dos pequenos Estados insulares.

"As discussões foram construtivas, mas também um pouco caóticas, e há muito a fazer", admitiu um negociador europeu. "O Acordo de Paris decidiu o que fazer, as discussões na COP22 têm-se centrado sobre como fazê-lo", disse ele.

Como garantir que os US$ 100 bilhões anuais prometidos aos países em desenvolvimento serão aplicados em 2020? Como preparar a cúpula de 2018, quando a primeira avaliação das ações dos países deve ser feita?

Quais informações os Estados terão de fornecer sobre a sua política de ação climática para tornar o processo o mais transparente possível?

No Acordo de Paris, assinado em 2015, a comunidade internacional estabeleceu uma meta de conter o aumento global dos termômetros "bem abaixo dos 2°C" e revisar para cima os compromissos dos países, atualmente insuficientes para atender este limite.

Os países desenvolvidos também se comprometeram a ajudar os países em desenvolvimento a limitarem as emissões de gases do efeito estufa e a se protegerem dos impactos do aquecimento (secas, inundações, elevação do nível do mar, entre outros).

O apoio, além de financeiro, abrangerá também a transferência de tecnologia e conhecimento.

Em Marrakesh, além das questões processuais essenciais com mais de 190 países ao redor da mesa, o financiamento tem sido uma questão sensível. (France Presse)




Publicado por: Daniel Campos - 18/10/2016 - 19:00:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 3.20/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3.2/5 (5 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



"O EQUÍVOCO AMBIENTAL EM PERNAMBUCO

Ao longo dos últimos meses temos tido um grande tensionamento entre os maiores municípios e o governo do Estado de Pernambuco. Tal fato dá-se em virtude da sua intenção, através da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade - SEMAS, em reconcentrar boa parte do processo de gestão ambiental, trazendo para si a definição do que é caracterizado como impacto local.

A nossa preocupação dar-se no fato de que essa questão é emitente responsabilidade municipal, não cabendo a nenhum outro Ente federativo, seja Governo Estadual ou Federal, tratar de questões dessa natureza em virtude de ferir de morte a autonomia municipal garantida no artigo 18 da constituição Federal.

Esse interesse mostra um imenso equívoco pois não existe a construção, elaboração ou execução de políticas públicas distante das pessoas envolvidas porque, normalmente, torna sua eficiência extremamente questionável e de baixo resultado.

Buscar reconcentrar boa parte da gestão ambiental no âmbito do governo do Estado de Pernambuco mostra também um grande erro, visto que, impede uma interiorização do processo de crescimento e desenvolvimento econômico.

Foi com esse objetivo que criamos o grupo do G-20-Semiárido com o intuito de discutir a necessidade de descentralização do processo de desenvolvimento do Nordeste da faixa litorânea para o interior, sobretudo no semiárido.

A maior parte do território de Pernambuco está localizada na região semiárida, uma área de potencialidades e de muitas fragilidades, porém, de poucas ações do Governo do Estado. A descentralização da gestão ambiental, a partir dos municípios, leva as políticas desse segmento mais para perto dos cidadãos. Um exemplo é o caso do Programa Municipal das Unidades de Conservação da Caatinga - UCCA que já conservamos 428 hectares.

Assim, a reconcentração de parte da gestão ambiental no âmbito do Governo do Estado, além de um grande equívoco, será um grande golpe na autonomia dos municípios no seu desenvolvimento sustentável.

JULIO LÓSSIO

Prefeito de Petrolina"




Publicado por: Daniel Campos - 01/08/2016 - 12:06:30  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.67/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.7/5 (9 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



O movimento mundial Hora do Planeta, promovido pela organização não governamental WWF, fará manifestações em mais de 100 cidades brasileiras. O ato simbólico de desligar as luzes de monumentos, prédios públicos e residências, por uma hora, será neste sábado (19), às 20h30.

Segundo o superintendente de Relações Externas da WWF Brasil, Henrique Lian, a iniciativa quer chamar a atenção para as mudanças climáticas e a produção de energia elétrica no mundo. "A maioria dos países gera energia elétrica com carvão, gás ou óleo diesel. Nesses países, então, a energia é o principal problema agravante das mudanças do clima", explicou.

Lian destaca que no Brasil é diferente, porque a matriz energética é de base hidrelétrica. "Energia elétrica não tem sido historicamente a nossa maior fonte de emissão de gases de efeito estufa. Tínhamos o desmatamento como principal fonte de emissão, mas vem caindo muito. Então, para o Brasil, este momento de luzes apagadas é mais simbólico", ressaltou o superintendente.

O tema deste ano - Faça por você. Faça pelo planeta - convida os participantes a fazerem mais do que apagar as luzes por uma hora. "É um bom momento para apreciar as estrelas, fazer um luau, um jantar romântico a luz de velas; para acampar na sala com seu filho ou participar das bicicletadas nas cidades em onde são organizadas, como São Paulo".

A Hora do Planeta está na 10ª edição e vai ser promovida em mais 150 países. Segundo os organizadores, hotéis, supermercados, restaurantes e outros ramos de empresas privadas sinalizaram adesão ao movimento global. (ABr)




Publicado por: Daniel Campos - 19/03/2016 - 18:00:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.90/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.9/5 (10 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



Foram iniciados na ultima segunda - feira, 14 de março, os trabalhos de plantio de Palmeiras na Orla de Petrolina. A ação tem o objetivo de preservar a paisagem natural e a composição de uma paisagem artificial adequada e em equilíbrio com o clima, o solo e as demais peculiaridades geográficas do município.

Ao longo de toda a Orla 1 e 2, que compreende o espaço entre o Restaurante Bêra D'água (início) e o Restaurante do Gaúcho (final), serão plantadas Palmeiras adultas, desde arvores normais até algumas com duas e mesmo três ramificações. Tal projeto é para dar uma visão mais bonita e limpa a um dos nossos principais pontos turísticos, além de colaborar para melhoria da qualidade de vida das pessoas.

Os serviços deverão estar concluídos até o final do mês de março, e o visual já melhorado poderá ser desfrutado por todos. A arborização da Orla contribui para o microclima melhorando a umidade do ar, reduzindo as altas temperaturas das superfícies de asfalto e concreto e contribui para a redução da poluição sonora.

O prefeito Julio Lossio, acompanhou o processo de plantio juntamente com a secretária de Infraestrutura, Tatyanne Lima e do secretário executivo de Agricultura, Weydson Miranda. De acordo com o Lossio, o novo visual deixará a orla ainda mais bonita. " Uma árvore plantada com as técnicas corretas, no lugar correto e sendo de espécie adequada, só traz benefícios à cidade, como a beleza paisagística e o bem estar que a mesma propicia à vida urbana", explicou. (Ascom)




Publicado por: Daniel Campos - 16/03/2016 - 10:40:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.73/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.7/5 (11 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



Proteger o Meio Ambiente e promover desenvolvimento sustentável requer a colaboração de todos. Pensando nessa linha, a Agência do Meio Ambiente de Petrolina deve estreitar a relação com a secretaria do Meio Ambiente e Ordem Pública da vizinha cidade de Juazeiro (BA), através de ações conjuntas. Na manhã desta segunda (15), a gestora da AMMA, Denise Lima, recebeu a visita de Agenor Souza, secretário municipal do Meio Ambiente da cidade baiana. A proposta é estabelecer práticas conjuntas que possam coibir e amenizar a prática de crimes ambientais na região.

"A gente tem que lembrar que o é gerado em Petrolina, também reflete em Juazeiro. São duas cidades irmãs, ligadas pelo rio São Francisco, que por si só já demanda muito de nossa atenção. Se a gente não sincronizar informação e trabalho, automaticamente os problemas saltam de um lado a outro e nunca ficaremos livre disso. As informações da AMMA são muito úteis a nós, de Juazeiro, porque é um órgão especializado, que tem desenvolvido um trabalho reconhecido. Não temos dúvidas de que poderemos absorver muito desse trabalho positivo", destacou Agenor Souza. Ele acrescentou ainda que é "importante trabalhar ações conjuntas que busquem a solução de crimes ambientais não somente em Petrolina e Juazeiro, bem como nas cidades circunvizinhas".

Durante a reunião foram abordados temas como poluição sonora, legislação, processos de licenciamento. A gestora da AMMA, Denise Lima, comentou sobre os principais desafios enfrentados em Petrolina. "A área ambiental é bem complexa, mas avaliamos que o município tem tido avanços consideráveis. Conseguimos ampliar o número de profissionais que trabalham conosco, intensificamos atividades como licenciamento e fiscalização e temos uma atenção com o processo de educação ambiental. Petrolina hoje é considerada uma referência no estado de Pernambuco e nossa meta é avançar cada vez mais. Estabelecer essa parceria com Juazeiro será importante para que possamos colocar o Vale do São Francisco também como um parâmetro de desenvolvimento sustentável".

Nos próximos dias será agendada uma nova reunião, para que os órgãos ambientais das duas cidades já possam decidir sobre a primeira ação conjunta. (Ascom)




Publicado por: Daniel Campos - 15/02/2016 - 15:02:42  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.90/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.9/5 (10 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



A quantidade de aumento do nível do mar que vem do aquecimento dos oceanos tem sido subestimada, e é provável que seja cerca de duas vezes maior do que o calculado anteriormente, disseram pesquisadores alemães nesta segunda-feira (25).

A descoberta publicada nos Anais da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, sugere que tempestades cada vez mais graves podem ser esperadas como resultado deste erro de cálculo.

O nível do mar pode aumentar devido a dois fatores: o derretimento do gelo e a expansão térmica da água quando aquecida.

Até agora, os pesquisadores acreditavam que os oceanos subiram entre 0,7 a um milímetro por ano devido à expansão térmica.

Mas um novo olhar para os dados mais recentes de satélite de 2002 a 2014 mostram os mares se expandindo cerca de 1,4 milímetros por ano, disse o estudo.

"Até o momento, subestimamos o quanto a expansão relacionada com o calor da massa de água nos oceanos contribui para um aumento global do nível do mar", disse o co-autor Jurgen Kusche, professor na Universidade de Bonn.

A taxa global de aumento do nível do mar é de cerca de 2,74 milímetro por ano, combinando tanto a expansão térmica e quanto o derretimento do gelo. (France Presse)




Publicado por: Daniel Campos - 26/01/2016 - 08:00:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.20/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.2/5 (10 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



Com apenas 100 milímetros de chuva por ano e uma grande taxa de evaporação devido às altas temperaturas, os Emirados Árabes Unidos andam sedentos de um recurso "muito mais importante que o petróleo": a água doce, que serve para abastecer seus 9,5 milhões de habitantes e quase 3 milhões de turistas.

Assim reconheceu Sultan al-Jaber, ministro de Estado dos Emirados, e enviado especial de Água e Mudança Climática em uma área do planeta onde os aquíferos não se renovam e a situação é suscetível a piorar pelo aquecimento global, segundo advertiu uma recente pesquisa publicada na revista "Nature Climate Change", que considerou que o Golfo pode se tornar inabitável no final de século.

Nesse contexto, os Emirados buscam atrair os melhores pesquisadores do mundo especialistas em técnicas para estimular as nuvens para que ajudem a aumentar a quantidade de chuva.

Para isso, foi criado o Prêmio de Pesquisa para a Melhora da Chuva, dotado de US$ 5 milhões e que em sua primeira edição serão repartidos por 3 cientistas ganhadores: Musataka Murakami, pesquisador da Universidade de Nagóia (Japão); Linda Zou, do Instituto de Ciência e Tecnologia Masdar em Abu Dhabi; e Volker Wulfmeyer, diretor do Instituto de Ciências Físicas e Meteorológicas da Universidade de Hohonheim (Alemanha).

O prêmio, entregue durante a Semana de Sustentabilidade de Abu Dhabi, recebeu um total de 78 propostas científicas de 25 países diferentes.

No entanto, a ciência para a melhora da chuva não é nova nos Emirados, que desde 1990 possui um Programa Nacional de Pesquisa dedicado a esta matéria, que desde 2001 conta com a colaboração da Nasa e do Centro Nacional de Pesquisas Atmosféricas dos Estados Unidos, em Boulder (Colorado).

O programa é administrado pelo Centro Nacional de Meteorologia e Sismologia, pertencente ao Ministério das Relações Exteriores. (Agência EFE)




Publicado por: Daniel Campos - 23/01/2016 - 22:00:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.43/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.4/5 (14 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



O ministro das relações exteriores da França, Laurent Fabius, criou quatro grupos de ministros na COP21, a conferência do clima, para tentar atingir progresso nos principais pontos onde ainda há desacordo no texto do próximo acordo global do clima. Um deles, que tratará da diferenciação entre países ricos e pobres, será presidido pela ministra do Meio Ambiente do Brasil, Izabella Teixeira.

"O Brasil é extremamente respeitado na Convenção do Clima", afirmou Izabella em entrevista neste sábado (5) em Paris. "O Brasil tem por tradição na sua diplomacia e nas equioes de nego um comportamento proativo em relação aos resultado de COPs e no multilateralismo."
A COP21 entra agora na segunda semana de negociação com o objetivo de fechar um acordo na próxima sexta-feira (11). Izabella será responsável, no papel de "facilitadora" por propor soluções para que haja consenso na questão de diferenciação entre países ricos e pobres na COP21. Ela atuará ao lado do ministro de relações exteriores de Cingapura, Vivian Balakrishnan.

O tópico é importante porque muitos países em desenvolvimento exigem tratamento diferenciado quando à obrigação de cortes na emissão de CO2. Como o bojo do aquecimento global verificado hoje se deve a um montante de gases estufa persistentes emitidos por países mais ricos desde a revolução industrial, nações pobres não querem ser obrigadas a cortar a emissão de CO2 agora sem uma contrapartida. (G1)




Publicado por: Daniel Campos - 05/12/2015 - 19:54:08  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.67/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.7/5 (9 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



O desmatamento na Amazônia Legal aumentou 16% no período de agosto de 2014 a julho de 2015, quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Dados anunciados nesta quinta (26) pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, mostram que, ao todo, foram derrubados 5.831 quilômetros quadrados (km²) de floresta , enquanto na análise 2013-2014 a derrubada havia sido de 5.012 km².

Amazonas, com aumento de 54% nas derrubadas (769 km² de desmatamento), Rondônia, com 41% (963 km²) e Mato Grosso, com 40% (1.508 km²) foram os estados que concentraram o aumento da retirada florestal. O Pará e Tocantins ficaram estáveis, enquanto Acre, Amapá, Maranhão, e Roraima tiveram queda. Os dados são do Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes), do Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (Inpe).

O Prodes computa como desmatamento as áreas maiores que 6,25 hectares (um hectare equivale à área de um campo de futebol) onde ocorreu remoção completa da cobertura florestal - o corte raso. O cálculo da taxa de desmatamento foi obtido após o mapeamento de 96 imagens de satélite.

"Algo que chama atenção é que voltou a aparecer desmatamento com grandes extensões, o que contradiz tudo o que estamos fazendo, em um ano em que aumentamos em 30% os esforços de fiscalização federal", disse a ministra.

Segundo Izabella, os dados são contraditórios com os investimentos de R$ 220 milhões do governo federal para que os estados da região aplicassem na gestão ambiental. "Este aumento não está condizente com os recursos que disponibilizamos para estes estados. Não foram poucos recursos", frisou a ministra.

O Ministério do Meio Ambiente vai notificar os três estados para que os governos expliquem se os desmatamentos foram legais ou não. A partir dos relatórios o governo federal deve analisar como proceder. No caso de Mato Grosso, segundo a ministra, a União "está investigando todos os processos de suspensão de embargo". (ABr)




Publicado por: Daniel Campos - 27/11/2015 - 11:00:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.64/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.6/5 (11 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



Os alunos da Escola Municipal São Domingos Sávio irão ajudar na implantação da horta escolar. Para isso, todos os estudantes do primeiro ao quinto ano estão participando de uma oficina de reciclagem promovida pelo Projeto Escola Verde da Universidade Federal do Vale do São Francisco em parceria com a ONG Instituto de Educação de Petrolina.

As atividades de instrução sobre reciclagem e compostagem começaram ontem (12) com aprendizado sobre educação ambiental, seleção do lixo, preservação, entre outras técnicas. Após o aprendizado, as crianças participarão da fase final do projeto que é a implantação de uma horta que será desenvolvida no início do semestre de 2016.

"Estamos muito animados e as crianças mais ainda com o projeto de reciclagem e da horta. Essa é uma maneira lúdica de incentivá-los desde cedo a cuidar do que é nosso, ou seja, do nosso planeta. Eles acabam se tornando multiplicadores dessa mensagem e isto tem um efeito positivo e duradouro", afirmou a coordenadora do Instituto de Educação, Sebastiana Nunes. (Ascom)




Publicado por: Daniel Campos - 13/11/2015 - 16:30:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.67/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.7/5 (12 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



O aquecimento global deve levar o planeta a passar uma marca preocupante neste ano: o aumento médio de 1°C na temperatura média da superfície do planeta, em relação aos níveis do século 18, anteriores à Revolução Industrial.

A má notícia foi divulgada nesta segunda-feira (9) pelo Escritório Meteorológico do Reino Unido, o Met Office, uma das principas instituições de pesquisa dedicadas a compreender a mudança climática.

Ao cruzar o limite de 1°C, o planeta chega à metade da trajetória para um aquecimento de 2°C, considerado "perigoso" por climatologistas. Negociadores de 190 países se reúnem na cúpula do clima da ONU em Paris (COP 21), em dezembro, para discutir como deter o aumento.

Cientistas afirmam que o aumento substancial de temperatura registrado ocorrerá em parte em razão do El Niño, o afloramento de águas quentes no Pacífico, apesar de a maior parte do fenômeno ser atribuível ao calor extra gerado pelo agravamento do efeito estufa.

"Tivemos eventos naturais similares no passado, mas essa é a primeira vez que estamos em vias de bater a marca de 1°C", afirmou Stephen Belcher, diretor do Centro Hadley de Pesquisas, ligado ao Met Office. "É um sinal claro de que é a influência humana que está levando o clima moderno a uma zona inexplorada."

O objetivo da cúpula de Paris será o de delinear uma política de redução nas emissões de outros gases do efeito estufa para evitar que o planeta atinja os 2°C excedentes antes de 2100. (Reuters)




Publicado por: Daniel Campos - 09/11/2015 - 19:00:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.45/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.5/5 (11 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



Durante reunião do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema) que acontece na manhã desta quinta (29), no Recife, a gestora da Agência Municipal do Meio Ambiente (AMMA), Denise Lima, deve apresentar aos demais membros do Conselho, um documento assinado pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Petrolina e Região, Câmara de Vereadores de Petrolina e secretarias ambientais de Petrolina, Lagoa Grande e Santa Maria da Boa Vista; que será encaminhado ao Governo do Estado solicitando a revogação do decreto que institui o Refúgio de Vida Silvestre Tatu Bola, criado em agosto do ano passado. A carta reflete o posicionamento das comunidades sertanejas que alegam não terem sido ouvidas no processo de construção da Reserva, e que serão diretamente atingidas por suas diretrizes.

Esta semana, mais uma vez, agricultores e representantes de localidades de Petrolina, bem como lideranças políticas e comunitárias, estiveram reunidos na sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Petrolina e Região, para deliberarem sobre o assunto. Na verdade, o sertanejo não é contra a criação de uma Unidade de Conservação. No entanto, defendem que o processo seja feito de maneira que haja um equilíbrio entre o ser humano e o Meio Ambiente.

"Levando em consideração que temos cerca de vinte mil pessoas que integram as áreas que estão dentro do entorno do Refúgio que foi criado; que estas pessoas alegam não terem sido ouvidas antes e que não possuem informações sobre como será a possibilidade de continuarem trabalhando suas culturas de plantio e de criação de animais; dentre outros aspectos, sugerimos a revogação do decreto. É importante ressaltar que a conservação do Meio Ambiente deve ser feita em equilíbrio com o bem estar do homem", pontua Denise Lima.

De acordo com o projeto inicial, o refúgio abrange uma área de 110 mil hectares, compreendendo trechos de Petrolina, Lagoa Grande e Santa Maria da Boa Vista. Somente este ano, o Consema colocou a proposta de mudança de nomenclatura de Refúgio para Área de Proteção Ambiental (APA), mas nas ocasiões em que o assunto foi discutido não houve quórum para a deliberação.

"Se a criação do Refúgio foi um equívoco, através destas reuniões, das audiências públicas, enfim, estamos dando a opção de que eles mudem o projeto, consertem esse erro. O que não pode acontecer é o que vemos agora, ou seja, agricultores inseguros, receosos, sem saber o que será de seu futuro. Temos que unir forças, detalhar informações e levar ao conhecimento do Estado, até para que a gente possa sensibilizar quem tem o poder para mudar alguma coisa", enfatiza o diretor de Meio Ambiente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Petrolina e Região, Maurício José da Silva. (Ascom)




Publicado por: Daniel Campos - 29/10/2015 - 10:00:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.85/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.8/5 (13 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



Até o próximo dia 26 de Outubro, a Coordenadoria Geral de Licitações e Convênios da Prefeitura de Petrolina recebe a documentação de profissionais interessados em atuarem como perito nos processos de Licenciamento Ambiental desenvolvidos pela Agência Municipal do Meio Ambiente (AMMA). Há oportunidade para diversas áreas de formação acadêmica. Os interessados devem entregar até a data limite, na sede da Coordenadoria, no 2º andar da prefeitura, das sete às 13h, um envelope devidamente lacrado, contendo documentação, que inclui currículo; cópia autenticada da identidade e do CPF; carteira profissional expedida pelo órgão de classe; diploma registrado no MEC; certificados ou diplomas de cursos lato e/ou strictu senso; declaração de antecedentes criminais expedida nos últimos 30 dias; dados bancários para recebimento do pagamento; requerimento devidamente assinado.

Os interessados - que serão contratados temporariamente- atuarão junto a procedimentos de licenciamento ambiental da Agencia Municipal do Meio Ambiente (AMMA). Os contratados emitirão laudos e pareceres, farão vistorias sempre que acionados - junto com a equipe de fiscais ambientais do referido órgão ambiental -de atividades ou empreendimentos licenciados ou não - que eventualmente possam causar impacto no Meio Ambiente.

O contrato terá duração de um ano, podendo ser prorrogado de acordo com vontade de ambas as partes. A prefeitura de Petrolina pode rescindir o contrato mediante algumas situações, a exemplo do profissional passar informações inexatas; tiver a habilitação profissional suspensa; transferir ou ceder obrigações a terceiros; cometer infrações às normas federais, estaduais e municipais; dentre outros.

Há oportunidades para vários profissionais: para engenheiro Florestal, Engenheiro Químico, engenheiro Agrícola, engenheiro Ambiental, engenheiro Civil, engenheiro Sanitarista, engenheiro Eletricista, engenheiro de Agrimensura, engenheiro de Telecomunicações, engenheiro de Minas, engenheiro Mecânico, engenheiro Agrônomo, engenheiro de Pesca, Zootecnista, Economista, Sociólogo, Geólogo, Veterinário, Arquiteto, Geógrafo, Biólogo, Químico, Bacharel em Direito, técnico Agrícola, técnico em Edificações, técnico em Meio Ambiente, técnico em Segurança do Trabalho, técnico em Telecomunicações, técnico em Eletromecânica, técnico em Eletrotécnica, técnico em Saneamento.

Maiores informações podem ser obtidas através do endereço eletrônico: www.petrolina.pe.gov.br, no link de licitações. (Ascom)




Publicado por: Daniel Campos - 15/10/2015 - 14:30:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 3.20/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3.2/5 (10 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



A gestora da Agência Municipal do Meio Ambiente (AMMA), Denise Lima, recebeu na manhã desta quarta (07) na sede do órgão ambiental, a visita de representantes do Sindicato dos Postos de Combustíveis de PE, além de revendedores. A pauta da reunião girou em torno da revisão de prazo para os postos se adequarem à resolução 41/2013 da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), bem como a observação dos prazos de vencimento das licenças ambientais.

"Estaremos sempre de portas abertas para recebermos representantes de quaisquer entidades e sociedade civil, no intuito de mantermos um diálogo e fazermos cumprir o que é preconizado nas leis que regem a área ambiental. Apesar de ter um corpo técnico ainda pequeno com relação à demanda cada vez mais crescente, a AMMA trabalha em cima de prazos, com cronogramas, e estaremos possibilitando o licenciamento dos postos que atendam os parâmetros legais, e, no caso dos que não apresentam estas condições, oferecer alternativas para que eles possam se regularizar. O objetivo é sempre o de criarmos um ambiente ecologicamente equilibrado", destacou a diretora presidente da AMMA, Denise Lima.

Sobre um dos pontos mais discutidos na reunião, a Resolução da ANP regulamenta a revenda varejista de combustíveis automotivos. Por essa legislação, alguns aspectos devem ser observados, a exemplo do "revendedor manter em sua instalação planta simplificada, ou sua cópia, devidamente atualizada, em que conste a localização e a identificação dos tanques, das bombas medidoras para combustíveis, dos bicos de abastecimento e das tubulações que os interligam, bem como de filtros, bocas de tanques, poços de inspeção, respiros de tanques, informação sobre localização do sistema de compressão de GNV e outros equipamentos acessórios eventualmente existentes; o posto de combustível que obtiver a autorização de funcionamento, mas por algum motivo, não iniciar suas atividades em 180 dias após a publicação da autorização no Diário Oficial terá sua licença revogada pela ANP", dentre outros.

Dentre os documentos necessários para a autorização de funcionamento do posto revendedor, pode-se destacar a cópia autenticada da Licença de Operação ou documento equivalente expedido pelo órgão ambiental competente, dentro do prazo de validade, no endereço do empreendimento indicado na Ficha Cadastral, especificando a atividade de revenda varejista de combustíveis automotivos, ou documento expedido pelo órgão ambiental competente que autorize o funcionamento do empreendimento. (Ascom)




Publicado por: Daniel Campos - 07/10/2015 - 15:30:56  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 3.08/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3.1/5 (12 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



A presidente Dilma Rousseff afirmou neste domingo (27), na Cúpula da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, que o Brasil tem a meta de reduzir em 43% a emissão de gases do efeito estufa até 2030. O ano base, segundo ela, é 2005.

"Será de 37% até a 2025 a contribuição do Brasil para a redução de emissão de gases do efeito estufa e para 2030 a nossa ambição é de redução de 43%", afirmou a presidente em discurso na sede de ONU, em Nova York. Esta é a proposta que o Brasil deve levar para a cúpula do clima de Paris, a COP 21, a ser realizada em dezembro.

Para Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima, o anúncio é uma indicação positiva, mas ainda com um grau de ambição insuficiente. "Se comparar com outros países que são grandes emissores, o Brasil é um dos que está se propondo a fazer mais. Mas se comparar com o que o país tem de potencial de redução de emissões, com a nossa responsabilidade e com a urgência, poderíamos ser mais ambiciosos", afirmou.

Se as propostas dos países para 2030 anunciadas até o momento forem concretizadas, o planeta ainda deve chegar a um aquecimento entre 3ºC e 4ºC, segundo estimativas. Para o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), o ideal seria de limitar o aquecimento global a 2ºC. (G1)




Publicado por: Daniel Campos - 28/09/2015 - 10:20:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.69/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.7/5 (13 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



Para que uma árvore seja eliminada ou receba qualquer tipo de poda, tem que haver uma autorização expressa de órgãos ambientais, a exemplo da Agência Municipal do Meio Ambiente (AMMA). Em Petrolina, no entanto, muitas pessoas agem na contramão do processo de arborização da cidade e, por conta própria, derrubam plantas situadas em praças, calçadas e outros logradouros públicos. Esta semana, a equipe de Fiscalização do órgão municipal recebeu denúncias deste tipo de crime e já investiga a autoria do fato para a aplicação das devidas medidas legais.

"Todas as denúncias que chegam à AMMA são apuradas rigorosamente a fim de que possam ser tomadas as medidas cabíveis", destaca a gestora do órgão, Denise Lima.

A Lei 1838/ 06 aborda sobre árvores dos logradouros públicos da cidade e seus povoados. O artigo 2º enfatiza que "fica terminantemente proibido destruir, danificar, lesar ou maltratar por qualquer modo ou meio, árvores de qualquer espécie nativa e exótica componentes da arborização urbana nos logradouros públicos da cidade de Petrolina e seus povoados. O artigo terceiro da mesma Lei especifica em que situações a eliminação será permitida: se a planta estiver ameaçando cair, impedindo a realização de obras públicas, comprometendo a estrutura de residências, quando houver infestação de doenças, quando a localização estiver em desacordo com o Código de Postura do Município, Lei do Uso de Solo Urbano e Plano Diretor; dentre outros.

Já o artigo 49 da Lei Federal 9.605/98 é clara quanto à questão. "Destruir, danificar, lesar ou maltratar, por qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradouros públicos ou em propriedade privada alheia", resulta em uma pena de detenção, de três meses a um ano, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente. Em caso de crime culposo, a pena é de um a seis meses, ou multa.

Na AMMA existe uma Comissão de Avaliação Técnica Ambiental (CATA), que fica responsável por avaliar os pedidos que chegam de corte e poda de árvores na cidade. O engenheiro agrônomo responsável pela Comissão faz a avaliação e, posteriormente, elabora um relatório técnico que é emitido ao solicitante. Orientações sobre poda correta também são direcionadas às pessoas que buscam este serviço.

Vale salientar que qualquer cidadão pode ser parceiro da AMMA na fiscalização e no combate dos crimes ambientais. Ao notar que alguém está cometendo uma poda ou corte de árvores de maneira indevida, pode encaminhar a denúncia para a Ouvidoria Municipal (156), para a própria AMMA, através dos telefones 3866 2779/3861 4382, ou através do site www.amma.petrolina.pe.gov.br. (Ascom)




Publicado por: Daniel Campos - 23/09/2015 - 14:30:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.50/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.5/5 (12 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



A Prefeitura de Petrolina trabalha para promover o bem-estar da população, com investimentos em ações e serviços estruturantes. Da cidade a zona rural, a administração realiza intervenções diárias que só melhoram a vida de milhares de pessoas. Nesse contexto, a Secretaria de Infraestrutura realizou nesta terça-feira (08), a mais uma etapa do Mutirão de limpeza Terça-Feira Verde. Desta vez a localidade contemplada com os trabalhos foi a Vila 12 do PSNC. No local, agentes de limpeza executam os serviços de varrição, roço mecânico, capina, recolhimento de lixo e entulhos e pintura de meio fio.

De acordo com a secretária de Infraestrutura, Tatyanne Lima, o objetivo é investir na melhoria constante da qualidade de vida da população através da limpeza das vias públicas, mas, segundo ela, os mutirões executados no município não são capazes de manter a cidade sempre limpa se não houver a colaboração da comunidade.

"Práticas como jogar lixo nas ruas, dificultam bastante o trabalho dos agentes de limpeza e contribuem para a proliferação de insetos e ratos. Além disso, favorecem o acúmulo de entulhos que reservam água e podem ser propícios para a procriação do Aedes Aegypti (mosquito transmissor da dengue). É importante contar com o apoio da comunidade. A Prefeitura realiza a limpeza, mas a população precisa colaborar em não jogar lixo na rua. O sucesso da ação depende da participação de todos", explicou Julio Lossio, prefeito de Petrolina. (Ascom)




Publicado por: Daniel Campos - 10/09/2015 - 09:00:00  
Gostou dessa matéria?
  • Currently 2.36/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2.4/5 (11 votos)

 

Comentários(0)  Imprimir  Compartilhar   



«Primeira «Recentes [1] 2 3 4 5 ... Antigas» Última»